John Heathcoat e Muslin e Net Período

O casamento era muito parecido com outros casamentos, onde as partes não têm gosto para finy ou parade; E a Sra. Elton, dos detalhes detalhados por seu marido, achava tudo extremamente incrível e muito inferior à sua. "Muito pouco pequeno cetim branco, muito poucos véus de renda; um negócio mais lamentável! Selina iria olhar quando ela ouviu falar disso." Mas, apesar dessas deficiências, os desejos, a esperança, a confiança, as previsões da pequena banda de verdadeiros amigos que testemunharam a cerimônia, foram totalmente respondidas na perfeita felicidade da União. -Emma.
Os fãs de Jane Austen estão familiarizados com os vestidos de musselina de cintura alta populares durante sua idade adulta. Quantos estão cientes de que a rede ou gaze feita com máquina tornou-se um item "quente" de 1810 e em? 1823 vestido de noite com folha de gaze "Os vestidos líquidos eram muito elegantes e sua popularidade foi estimulada por novas invenções. O desenvolvimento da rede feita à máquina no final do século XVIII e início do século XIX significava que os efeitos de renda gazy eram cada vez mais acessíveis como aparas ou vestuário. A máquina Bobbin-Net foi patenteada pelo inglês John Heathcoat em 1808 e produziu uma rede superior idêntica aos motivos líquidos de torção de renda de bobina feita à mão. Foi tão bem sucedido que as mulheres nas classificações mais altas da sociedade, incluindo a primeira esposa do imperador Napoleão, Josephine, usavam vestidos de máquina. Inicialmente, no entanto, todas as redes da máquina eram claras e tiveram que ser bordadas à mão. " - Victoria e Albert. A Net Bobbin feita à máquina foi feita pela primeira vez na Inglaterra em 1806 (e na França em 1818). Até esta data, renda como foi feita era conhecida como rendas antigas. Depois dessa data, o laço é categorizado como sendo moderno. A máquina feita renda fez uma aparência em torno de 1760. As redes e tulinhas tornaram-se imediatamente populares. Sua chegada estimulou a produção de outros panos de laço de seda, o que levou a um aumento geral na popularidade do comércio de laço de seda - até que uma máquina foi inventada que poderia produzir laço de rede de seda também.
No século XVIII, a rede feita à mão era muito caro e foi feita do fino da antuérpia: em 1790, isso custou £ 70 por libra, às vezes mais. Naquela época, o modo de pagamento foi decididamente primitivo: o solo de renda estava espalhado no balcão e o trabalhador da casa de campo cobria com xelins do lojão. Tantas moedas quanto puderam colocar em seu trabalho, ela tirou com ela como salários para seu trabalho. Não é de admirar que um véu de laço honiton antes da invenção da rede feita com freqüência costumava custar cem guinéus. A invenção de Heathcoat de uma máquina para tornar a rede lidou com um golpe de esmagamento para os trabalhadores líquidos feitos pela almofada. O resultado é facilmente adivinhado. Depois de sofrer uma grande depressão por vinte anos, a arte da rede feita à mão tornou-se quase extinta, e quando uma ordem para um véu de casamento de rede feita à mão recebeu, foi com a maior dificuldade que os trabalhadores poderiam ser encontrados para fazer isso. A rede sozinha para tal véu custaria £ 30. - Uma história de renda feita à mão: lidar com a origem do laço, o crescimento dos grandes centros de renda, o modo de fabricação, os métodos de distinguir e o cuidado de vários tipos de renda, Emily Jackson, p. 170.
Os centros europeus mais populares para a criação de renda foram localizados na França, a região conhecida como Bélgica hoje, Irlanda, Inglaterra e Itália.
Durante a Revolução Francesa, a indústria têxtil francesa sofreu e, ao contrário da Inglaterra, o uso de máquinas têxteis não existia. O Imperador Napoleão parou a importação de têxteis ingleses e ele reviveu a indústria de rendas de Valenciennes, de modo que os tecidos finos como Tule e Batiste pudessem ser feitos lá. - História da Moda da Regência
Entre 1806-1810, os vestidos líquidos bordados com Chenille Bordado tornaram-se populares. Os lucros aumentaram para os fabricantes como o preço para o pano despencou.
Em 1809, Heathcoat levou uma patente para sua máquina de Bobbin Net. Mas os lucros realizados pelos fabricantes de renda eram muito grandes, e o uso das máquinas se estendeu rapidamente; Enquanto o preço do artigo foi reduzido de cinco libras, o quintal quadrado para cerca de cinco pence no decorrer de vinte e cinco anos. -John Heathcoat e a máquina da Bobbin Net, Samuel sorri (1859)
Em 1813, a máquina de bobinete foi aperfeiçoada. Depois de 1815, a gaze foi usada sobre vestidos de noite de cetim, com o tecido reunido na parte de trás. Em 1816, Crepe, Net e Tule foram usados ​​sobre o desgaste da noite feitos de cetim, sedas, veludos, kerseymere, cetim, mancos e ambos lisos e tiro sarcenet. La Belle monteblee Court e revista elegante Contém esta descrição de um vestido de uma senhora em sua sala de estar de Majestade em janeiro de 1818:
Hon. Lady Codrington.-líquido cortinas, magnificamente bordados em ouro Lama, em buquês e raminhos, sobre uma anágua de cetim branco, com laço loiro no fundo, dirigido a um roureu de ouro lama; Trem de veludo carmesim, aparado com lama de ouro e laço loiro. Vestido de cabeça Gold Lama Toque, com pluma de avestruz e diamantes.
Nem toda dama dessa época estava obcecada com o laço líquido de Bobbin ou Tule. Muitos começaram a favorecer e orgulhosamente favorecer o antigo laço feito à mão.
... tanto na Inglaterra como no continente como no Almack's, as salas de assembléia no Bath and Tunbridge, os acompanhantes fofocariam seus lappes de Alencon ou Bruxelas. Numerosas eram as anedotas sobre como esse tesouro ou que tinham aparecido tendo escapado da desgraça o maleiro, que infelizmente! O destino de tanta velha renda durante o musselina e o período líquido. - Emily Jackson, Uma história de renda artesanal, 1900, p 48.
O laço feito a máquina tratou um grande golpe para a indústria de tecidos feitos à mão. Em Tiverton em 1822, onde uma vez 2.400 fabricantes de renda funcionaram, apenas 300 fabricantes de renda ainda estavam empregados.
A duquesa de Gloucester era uma das poucas cujas afeições nunca desviam de seu amor pelos velhos pontos ricos em direção a loiras e muslinas, e sua coleção era uma das melhores da Europa. Lady Blessington também amava lace cara, e, em sua morte, deixou vários peitos enormes cheios disso. Gradualmente, o laço começou a ser usado novamente, mas era como era ignorantemente colocado, usado simplesmente porque foi novamente a moda usar rendas, e a renda deve, portanto, ser usada; O conhecimento de sua história, valor e beleza estava faltando ... - Emily Jackson,Uma história de renda artesanal, 1900, p 48.
Sprigs embelezados a rede feita à máquina. Diz-se que a rainha Charlotte introduziu o Applique na Net para apoiar a indústria líquida da máquina. Os apliques de Honiton consistiam em raminhos de linha de linho branco montados na rede, mas os raminhos de seda pretos também foram aplicados. A seda preta custa duas vezes mais do que os fios de linho e logo saíram da moda.
O comércio de rendas permaneceu para várias gerações em algumas famílias, assim em 1871, um antigo fabricante de renda foi descoberto em Honiton, cuja volta ou roda para o algodão enrolado tinha a data 1678 grosseiramente esculpida em seu pé -Laço velho, um manual para colecionadores: uma conta dos estilos de diferença de renda, sua história, características e fabricação, Margaret Jourdain, 1908, P94-95
Origens:
Vic Sanborn supervisiona dois blogs: Jane Austen's World e Jane Austen hoje. Antes de 2006 ela meramente adorava Jane Austen e leu orgulho e preconceito fielmente todos os anos. Hoje em dia, ela está imersa em ler e escrever sobre a vida do autor e a era da regência. Co-fundador do seu grupo local (e muito pequeno), Janites sobre o James, ela começou seus blogs como uma maneira de compartilhar sua pesquisa sobre a era da regência por seu romance, que se senta inédita em uma prateleira empoeirada. Em sua vida profissional, Vic fornece recursos e desenvolvimento profissional para professores e administradores dos programas de educação e alfabetização de adultos da Virgínia. Este artigo foi escrito para Jane Austen's World e é usado aqui com permissão.